Se você viu coisas parecidas com essas na TV, parabéns, você assistiu TV nos anos 90!...

O incrível gerador de caracteres que quase todo mundo já teve no Brasil

Quem acompanha os meus escritos em blogs sabe que eu já discorri bastante sobre um gerador de caracteres da Rede Globo. E que, sei lá, só eles tinham, ao menos com o tipo de letra que tentamos reconstituir.

Mas um outro gerador de caracteres marcou a minha vida televisiva. O que eu me lembro é o seguinte, o programa Veja o Gordo, com Jô Soares, era, possívelmente, o programa do SBT que mais usava GCs, porquê as músicas eram legendadas. E até então, era um GC que tinha uma Helvetica meio deformada e com alguns problemas na acentuação, se eu não me engano.
Mas em dezembro de 1989, um presente para os telespectadores: aquelas letras meio sem graça se tornaram nítidas e com uma excelente qualidade visual. E com algo que até então eu não tinha visto na TV, efeitos de transição entre uma página e outra! (Tá, um ou outro wipe, nos telejornais locais, e olhe lá.)

Estreava aí um gerador de caracteres que tomaria conta da programação não só do SBT, mas de diversas outras emissoras e produtoras de vídeo – inclusive a Rede Globo!!! Ou seja, temos aqui a antítese total da história da Coverface. Mesmo porquê, os tipos de letra desse GC são bem conhecidos. O curioso é que achamos todos eles em TrueType, mas parece que o formato não seria esse, como veremos já já.
O grande barato deste misterioso equipamento é o que ele faz com essas letras…

Pra começar, em matéria de tamanho, cor e espaçamento, o céu era o limite. (Na época, eu usava MSX, que tinha uma chatíssima limitação de uso de cores por pixel, e eu ficava de boca aberta…)

Aliás, uma seleção cheia de personalidade do fabricante desse GC: o pessoal geralmente prefere a Cooper Black do que a adaptação Cooper Bold, e em matéria de máquinas de escrever, preferia a Courier do que a Prestige, pelo que eu me lembre. E a Latin 725 seria até meio temerária pra botar no vídeo, por ser um tanto fina demais, mas no equipamento original dava certo.

Se você viu coisas parecidas com essas na TV, parabéns, você assistiu TV nos anos 90!...É desses caracteres que estamos falando.

Vendo o Programa Livre, que surgiria depois, em 1991, a impressão que dá é que o cara que operava o GC desse programa tinha o trabalho mais divertido do Brasil na época! Bom, eu, ao menos tinha essa impressão, né?… Dava a impressão que era muito fácil. A criatividade rolava solta. Não é a toa que, na minha fase Mario Paint (1993-1995, ainda sem câmera de vídeo) o que eu mais fazia era… tentar imitar esse gerador de caracteres.
Afinal eu sempre quis fazer essas coisas, colocar letras de alta qualidade na frente de imagens em movimento desde 1987, quando eu fiz as minhas primeiras gravações de vídeo. Opa, mas as letras também entram em movimento! Aliás, uma curiosidade é que quase todos os efeitos de movimentação que esse equipamento fazia estão, quem diria, no Power Point. Haveria por acaso algum parentesco distante?… Mas atenção, é com o Power Point do Windows XP.

Outro uso deste GC que já tinha todo um padrão, ao contrário do Programa Livre, mas que talvez vocês possam se lembrar melhor, seriam as manchetes do Aqui Agora, narradas por Luiz Lopes Corrêa.

Também tinha cronômetro. No Aqui Agora, um mecânico trocou rapidamente os pneus de um carro de passeio, enquanto o tempo era medido até em décimos de segundo. Em segundos redondos, em game shows do Silvio? Phichinha!!
Nos horários políticos, de partidos diversos, eu via outras características desse equipamento que nem eram usadas no Programa Livre. Além de letras, o recurso de gerar retângulos era sensacional (AHHH se tivesse isso no meu qüérido Videonics TM-2000…)

(“Reveal” é o efeito no qual as letras aparecem uma após a outra, como se estivessem sendo digitadas. Atenção, crianças, não são, hein? O único momento que tem digitação ao vivo, que eu saiba, é apuração de resultado de carnaval, e olhe lá.)

O GC parecia aceitar gráficos numa boa, muito mais do que qualquer outro… Um deles era o pato de óculos escuro, mascote do Show de Calouros na fase já sem o Silvio Santos (1993-1996). A sombra ao redor das animações, semelhante a das letras, denunciava que elas eram geradas a partir do GC (desculpem o pleonasmo). Em um telejornal local da Band, a imagem de um aparelho de telefone real era gerada nesse equipamento, dando o número para o público ligar.

A única limitação pra valer que eu percebia nesse equipamento seria a ausência de degradês - um dos grandes atrativos dos concorrentes Inscriber e TitleDeko (existe um GC da Pinnacle Systems baseado em hardware cujo nome me escapa, que roda o TitleDeko Pro em tempo real). Mas eles não faziam tanta falta assim…

O que acontece é que: primeiro, em 2000 eu já tive acesso à pessoas que trabalharam no SBT. Elas não sabem dizer que equipamento era aquele – só que ele foi substituído pelo Inscriber (reconstituição neste parágrafo – presente desde 1993, mais ou menos, só a partir de 1998 é que ele assumiu a cena pra valer em todas as produções)
Segundo, eu não encontro referências na Internet, nem mesmo quando esse equipamento foi “pouco” usado, utilizado por “muito poucas” pessoas e instituições, como…

  • SBT, como já vimos
  • TVE [TV Brasil - Rio de Janeiro-RJ] (usaram MUITO MAIS que o SBT, que tinha outros equipamentos paralelos, tinha um telejornal inteiro que era só o GC! Talvez a nossa resposta venha de lá…)
  • Band (O Show do Esporte virou um show!! E até filme legendaram com esse GC.)
  • Record (só não usaram mais por terem comprado os equipamentos da TV Jovem Pan em 1995, aí a fonte oficial da emissora virou a News Gothic)
  • Globo (Central Globo de Comunicação, no começo da década. Suspeitamos de que seja o GC do TV Pirata em 1989, por causa da fonte Cooper Bold. E em uma edição do tradicional jingle de futebol – “Eu sei que vou, vou do jeito que eu sei”, o GC é idêntico ao do SBT, em Univers. Também esteve presente na abertura de uma minissérie americana, com letras fora do padrão da emissora.)
  • Rede Gospel
  • TV ABC? (Não sabemos o nome, era um canal em UHF que tinha Márcia Peltier como uma das âncoras)
  • TV Gazeta [São Paulo-SP] (foi visto em algumas chamadas, 134.230,45 anos luz à frente daquele GC quadrado…)
  • Grupo Imagem (um dos usuários mais emblemáticos, aquele do 1406, adaptava os vídeos que era uma beleza)
  • Walt Disney do Brasil/ Redibra (Usaram pouco, mas era esse! Marcou a continuação de um episódio de Tico & Teco que tinha duas partes. Como eu sei que foram eles? O desenho era exibido na Globo)
  • NBR (primeiro GC dessa emissora, já no século XXI)
  • Diversas produtoras de vídeo da época (em comerciais de produtos e serviços locais, batata! Quer dizer, batata lisa, o quilo, apenas 229.674 cruzados, aproveite!!)
  • Diversos partidos políticos entre 1989 e 1996
  • Títulos em inglês do desenho Spiff & Hercules (Passava na TV Colosso e era exibido em mais de 80 países!)
  • Créditos do arcade interativo em vídeo Mad Dog McGree (os meus favoritos, é preto e branco, mas é sensacional)
  • E atencção, pairam suspeitas de que esse GC teria sido usado pela Rede Globo com a fonte Globoface (a “nossa” Rede Rounded) adaptada para ele, em alguns programas, como Radical Chic (1993), Chico Total (1996), Video Show diário (1994/95) e no Domingão do Faustão. Às vezes os efeitos de movimentação são identicos, fora o fato de esse GC conseguir fazer letras de até, sei lá, 500 pontos de altura (como nos resultados do Sexolândia), nenhum outro da casa fazia isso (só o GC do Fantástico/JN a partir de 1992, que só o jornalismo usava nessa época). Se a Globo não conseguiu extrair esse typeface para usar em outros equipamentos, quer dizer que o formato das fontes não era TrueType…
  • A Rede Manchete talvez tenha sido, portanto, a única emissora que não tenha se rendido à esse GC. Não sei, porquê não assistia a TV Cultura nessa época…

Até EU queria ter esse GC, como vocês devem notar… Pois é… Por isso estou phazendo este post para, quem sabe, surgirem algumas respostas. Se há quem discorra sobre equipamentos de TV muito mais antigos do que esse (e eu curto esses assuntos, hein?), porquê não esse gerador de caracteres aí, que pôs o SBT pela primeira vez como uma emissora visualmente mais agradável de se ver? O SBT e mais um monte de gente, inclusive? Porquê antes, era difícil…

A partir de 1994, em comerciais e horários políticos esse GC começa a aparecer com outros tipos de letras, mas aí já temos dúvidas se é o mesmo, já que essas não são vistas no SBT, que continua a usar o equipamento, e também porquê esse GC já passa a ter a capacidade de fazer os famosos degradês de canal alpha da Globo, que eram a mania da casa nos anos 90.

Esse GC entraria em decadência no SBT muitos anos depois, quando… não sei o que acontece, mas as novas câmeras e equipamentos da Anhanguera, parecem não se dar bem com ele (vide Gol Show, com Silvio Luiz), e as letras aparecem serrilhadas na vertical, sem a qualidade que tinham antes. Depois de algum tempo de insistência, em 1998 o Inscriber passa a ser usado nos núcleos que ainda usavam esse outro GC, como o Programa do Ratinho.

Curiosamente, esse GC ainda não tinha um recurso que hoje em dia, qualquer edição de computador já tem, o anti-aliasing nas letras. O que nos faz suspeitar que alguma plataforma de computador mais das antigas possa estar envolvida nisso, como o Commodore Amiga, por exemplo. Mas será que tantas empresas compraram Amigas em 1992?…
Oh, e agora, quem poderá nos responder?…..

Comentários

  1. Haroldo Vidal set 14, 2016 at 10:45

    Bom dia, você o nome do GC que a GloboNews usa?

  2. Haroldo Vidal set 14, 2016 at 10:44

    Bom dia, você o nome da fonte que a GloboNews usa?

  3. Pedro dez 7, 2015 at 3:17

    Legal, tenho um gerador de caracteres da inscriber com windows xp funciona direitinho, o GC mais foda na minha opinião era o da Dayang XCG usado por muitas emissoras da record, em mg, etc, alguem trabalhou com esse?

  4. Igor Z. ago 2, 2015 at 1:49

    ZITIO DO BICABAU AZUL E VERMELHO!!! ZITIO DO BICABAU AZUL E VERMELHO!!!

  5. Igor Z. ago 2, 2015 at 1:47

  6. Igor Z. ago 2, 2015 at 1:46

    Galera!

  7. Igor Z. ago 2, 2015 at 1:46

    A FONTES ? Bom, mas ler os seus sites para muitos blogs ?! O que seus essas fontes ! são muitos e muito fontes ?

  8. Cândido Duarte dez 10, 2012 at 14:32

    Trabalhei nas emissoras citadas, em diferentes momentos, mas basicamente nos anos 80,90 e 2000. O GC que mudou a vida da bandeirantes, nos anos 90, era o CHYRON MAX, um computador, muito fraco, comparado aos PCs atuais, mas que contava com uma grande quantidade de fontes, cores, recursos de páginas cheias, enfim, substituiu o antigo GC da CHYRON que nem placa de circuito impresso tinha, era ligado apenas com fios (wire-up). Depois do CHYRON MAX, vieram outros GCs, da própria CHYRON, além do TYPE DEKO, da pinnacle. Também me lembro do DUBNER 20K que não tinha HARD DISK, mas sim um disco flexível, enorme, parecia um LP encapsulado. Este DUBNER, foi revolucionário, pois foi o primeiro PC usado para GC, no início dos anos 90. Enfim, é isso.

  9. David nov 15, 2012 at 21:20

    Boa noite. Qual é o nome da fonte que faz aquele A meio de lado da TV Globo ?

  10. claudio budal mar 20, 2012 at 3:20

    ah, pois bem provavelmente o CG utilizado fosse o Commodore Amiga com junto com placa Video Toaster.

  11. Eddie Martínez jun 13, 2011 at 3:44

    Olá, Igor! Durante o seu texto, vc queria saber como era o estilo dos caracteres utilizados pela TV Cultura nos anos 1980 e 1990. Eu encontrei no YT dois vídeos que mostram os intervalos comerciais de 1989 (http://www.youtube.com/watch?v=eo07qbrdU_4) e 1995 (http://www.youtube.com/watch?v=CqJKMnDvLSw). Um abraço!

  12. Dan jun 8, 2011 at 0:38

    Eu lembro que uma época a CNT usava um GC estranhamente serrilhado nos caracteres, que pareciam usar um computador antigo, por volta de 1997 a 2000. Eu percebia ela nas chamadas do Alborguetti e no telejornal. A fonte era parecida com essa da Bandeirantes, quando encerrava a programação:
    http://www.youtube.com/watch?v=HBAGOs4xLG0

    • Dan jun 8, 2011 at 0:43

      E qual era o gerador de caractere que usavam nessa época (1992 na Rede OM)? Ela aparece nos 3 segundos iniciais: http://www.youtube.com/watch?v=CyyDmodrWGI&feature=related

      • Dan jun 8, 2011 at 0:51

        E achei o GC que eu disse que era parecido com o da Bandeirantes e utilizado nos anos 90 na CNT, principalmente no Alborguetti: http://youtu.be/BLSGm3KkavM

        O gerador parecia daqueles bem baratinhos, pois era pior que esse da chamada da band nos anos 80 e mais serrilhado.

        E desculpe por fazer um flood nos comentários, pois eu acho que seria interessante pesquisar esses GC’s “alternativos”.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>